Novas receitas

Eataly New York comemora seu terceiro aniversário

Eataly New York comemora seu terceiro aniversário


A meca da comida italiana foi transformada em um bazar tradicional para a celebração

Dan Myers

A "Piazza" central de Eataly foi transformada no centro de um festival italiano de vinho e comida.

Eataly, o empório de comida e restaurante italiano inaugurado por Mario Batali e Joe e Lidia Bastianich no bairro de Flatiron em Nova York em 2010, completou 3 anos em 31 de agosto e comemorou transformando o espaço em um clássico festival italiano de comida e vinho, com mais de 30 estandes montados em toda a loja para vender alguns de seus alimentos e bebidas mais populares.

Para comprar comida ou vinho nos estandes, primeiro você precisava comprar ingressos por US $ 4 cada, que poderiam ser resgatados nos estandes. Os itens variavam de um bilhete (para um copo de prosecco ou prato de grão-de-bico frito) a cinco bilhetes (para um voo de crudo de sete peixes). Outras opções incluem mussarela fresca, queijo e salame, porchetta, bolinhos de risoto frito, caviar, ostras, crostini com feijão branco, cogumelos ou atum, picadas de lagosta, massas, costela de porco e doces variados. Havia também um punhado de coquetéis especiais, como Bellini de pêssego branco. Foi realmente um espetáculo para ser visto.

Não há informações sobre se este será um evento anual, mas certamente concordaríamos com isso.


Il successo di Eataly brilla oltreoceano

Há alguns anos, uma empresa de suprimentos eletrônicos lançou uma campanha publicitária extremamente interessante, que dizia "o otimismo tem o cheiro da vida". O homem por trás da empresa que se apresentou ao público com uma declaração tão poderosa foi Oscar Farinetti, um empreendedor em série que logo depois lançou a Eataly.

Quando ele pensou em levar a excelência italiana em comida e vinho ao mundo, as pessoas devem ter pensado que ele era louco. Mas ele queria, e fazendo isso ao mesmo tempo em que exaltava a diversidade, as peculiaridades, as tradições de uma forma que nenhum antes havia alcançado: reunindo milhares de pequenos produtores. As microproduções estão na base da incrível qualidade e variedade do mercado italiano de alimentos, mas também tornaram quase impossível exportá-lo. Pelo menos até Farinetti decidir que precisava.

Hoje, Eataly é uma grande história de sucesso, na Itália e no exterior. Um exemplo, raro infelizmente !, de como o entusiasmo e a perseverança, a visão e o amor pela Itália são ainda hoje uma receita incrível de sucesso.

Oscar Farinetti é uma bola de fogo e os EUA estão no seu coração. Em 2013, sua criatura, Eataly New York, comemorou seu terceiro aniversário ganhando 85 milhões de dólares de receita e no ano passado foi colocada em terceiro lugar - logo acima do MOMA! - no ranking das melhores atrações da big apple. Ainda este ano, uma nova loja será aberta em Chicago, enquanto na Itália muitas regiões são cobertas e exaltadas - porque a Eataly comercializa, junto com as excelências nacionais, as locais.

Na última segunda-feira, Farinetti, ao lado de dois gigantes da cultura italiana como Renzo Arbore e Alessandro Baricco, comemorou o Dia de Colombo em Nova York. A reivindicação de 2014 da Eataly será "ci riesco", uma referência clara ao Sim, nós podemos de Obama, e um trocadilho com as palavras italianas para coragem, imaginação, responsabilidade, inovação, energia, simplificação, consciência, honestidade.

Oscar, você é um dos empresários italianos mais inovadores, que alcançou grande sucesso no exterior. Eataly é agora um símbolo da qualidade italiana na indústria vinícola e alimentar, demonstrando como a grande distribuição e a qualidade podem conviver bem: uma tarefa que antes se pensava impossível. Muitos italianos têm produtos incríveis, mas não conseguem fazer para trazê-los para o mercado internacional. O que o fundador da Eataly os recomendaria para entrar no mercado dos EUA?

A única coisa que quero recomendar é que arregaçam as mangas das camisas e trabalhem duro com criatividade e honestidade. Eles têm que se orgulhar de suas terras. A crise que vivemos pode ser uma grande oportunidade para começar de novo. Na próxima década, a crise terá fim e a Itália pode se tornar o líder europeu. Agora exportamos 31 bilhões de euros em alimentos e agrícolas. Bem feito! Mas temos que dobrá-los nos próximos três anos. Poderíamos exportar 180 bilhões e gerar 2 milhões de novos empregos!

Vamos falar sobre o "som italiano": o problema da falsificação. Nos EUA, podemos freqüentemente encontrar produtos que aparentemente vêm da Itália, mas na verdade são feitos em outro lugar. É uma perda econômica e de imagem para a Itália que chega a mais de 60 bilhões de euros. O que devemos fazer para resolver este problema difícil?

Todos nós precisamos de outras pessoas para estar bem e prosperar. Precisamos aprender a interagir entre nós. Poderíamos fazer uma marca distinta que caracterizasse nossos produtos "Made in Italy". Eu tenho muitas ideias. por exemplo, uma maçã com as cores da nossa bandeira (verde, branco e vermelho) colocada nos nossos melhores produtos. Isso significaria não aos OGM (organismos geneticamente modificados), não aos pesticidas, não aos fertilizantes químicos.

O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos relaxou uma proibição de décadas sobre a importação de muitos produtos de carne de porco curada de algumas regiões do norte da Itália a partir de 28 de maio, aumentando muito o número e a variedade de salames nos mercados e restaurantes locais. A quem devemos agradecer?

Acho que aos poucos os EUA estão começando a abrir cada vez mais seu mercado aos produtos típicos italianos. Somos apenas 0,83% da população mundial, mas somos amados pelos outros 99,17% e essa é uma grande porcentagem de pessoas que gostam e amam a Itália e a comida italiana. Vamos trabalhar!

O New York Eataly já é considerado uma referência americana em comida gourmet italiana. Está localizado próximo ao Edifício Flatiron, comprado por uma empresa italiana. No final deste outono, você abrirá um Eataly Chicago. Você vai chegar à costa oeste também?

O Eataly Chicago será inaugurado em meados de novembro. Planejamos abrir em Los Angeles (2015) e Filadélfia (2016) também. Eataly Philadelphia ficará localizada na área de Indipendence, uma atração turística por seu simbolismo: ali foi assinada a Declaração de Independência.

Recentemente, o Eataly foi inaugurado em Bari, Puglia. Você tem sido criticado, mesmo que tenha criado empregos e empregado jovens, por causa de conservadores que não entendem que o mundo está mudando e têm que valorizar quem faz investimentos estratégicos. Você se sentiu sozinho nesta circunstância? Você teve os mesmos problemas em Nova York?

Não me sentia sozinho, mas devo dizer que me atacaram com violência. Mas agora acabou. Vamos empregar 132 pessoas e mais. Em Nova York, há uma forma completamente diferente de trabalhar e empregar.

Em seu empreendimento anterior, você enviou uma mensagem vigorosa sobre os benefícios do otimismo. Esta é uma mensagem abençoada que definitivamente precisamos e é realmente "americana". Como podemos trazer isso para o "italiano"?

Os mais jovens, italianos ou não, têm de ser otimistas e corajosos! Uma coragem pura e bela baseada na vontade de superar os próprios medos, na fortaleza, na determinação, mas também na capacidade de analisar - fundamental no fundo, perseverar e - no final da lista - uma qualidade rara: ser duvidoso . Este é necessário para escolher as perguntas certas e - no caso - mudar o que está errado. Recentemente lancei um livro escrito exatamente para contar histórias de bravos produtores de vinho que alcançaram seu objetivo: "Storie di coraggio" (Histórias de coragem) de Mondadori.

A mensagem que gostaria de passar aos jovens é que aprender a ser corajoso é simples. A melhor maneira é olhar para histórias de coragem de pessoas comuns, que agora são especiais graças à sua bravura. Como costuma acontecer, a experiência pode ser mais útil do que o estudo. E no caso de bravura, com certeza é assim.

Qualche anno fa apparvero in televisione gli spot di un’azienda di grande distribuzione che suscitarono grande attenzione da parte del pubblico. Il compianto poeta dichiarava entusiasta che “l’ottimismo è il profumo della vita”. Dietro l’azienda che decise di promuoversi ed identificarsi con questo messaggio c’era Oscar Farinetti, che poi, da bravo imprenditore seriale, finita quell’esperienza diee vita ad Eataly.

Lo presero probabilmente per matto, quando disse di voler aprire qualcosa che portasse l'eccellenza del cibo e del vino italiano em todo o mundo, esaltando le diversità, le particolarità, le tradizioni, facendo quello che nessuno fino ad allora era riuscito a tarifa, mettendo insieme migliaia di produttori e superando la parcellizzazione produttiva che é al tempo stesso la grande ricchezza ma anche il grande problema di chi in passato cercò di fare un'operazione símile. Oggi Eataly è una grande realtà italiana, presente nel nostro paese e all'estero: un esempio, purtroppo molto raro oggigiorno, di come entusiasmo and caparbietà, visionarietà e amore per l'Italia siano ancora oggi gli ingredientei por fare successo modo giusto, qui, ora.

Oscar Farinetti é um vulcão, que é particolarmente um do outro lado do Stati Uniti. Festeggiati a setembre in tre anni di Eataly New York - un gioiellino che fattura 85 milhões de dollari all'anno, e che lo scorso anno é considerado a terza atrazione mais visitata della grande mela, prima del MOMA - il progetto si allargherà quest ' anno anche a Chicago, mentre in Italia si sta posizionando ormai em diversas regioni italiane, dove esalta le eccellenze locali insieme a quelle nazionali. Lunedì scorso Farinetti celebrou o Columbus Day proprio em Nova York dentro de um devido giganti della cultura italiana, Renzo Arbore e Alessandro Baricco. E il tormentone di Eataly del 2014 sarà un chiaro tributo allo “Yes we can”: il messaggio di Farinetti sarà “Ci riesco”, che è anche l'acronimo di “coraggio” e “immaginazione” e poi “responsabilità”, “innovazione ”,“ Energia ”,“ semplificazione ”,“ coscienza ”e“ onestà ”.

Oscar, lei é um dos mais inovadores tra gli imprenditori italiani di grande successo anche all’estero. Eataly è ormai sinonimo della qualità italiana nell’enogastronomia, e dimostra come si pode abbinare la qualità a 360 gradi insieme con la distribuzione non di nicchia: un’impresa che fino a qualche anno fa sembrava impossibile. Molti italiani hanno un prodotto ottimo, ma trovano difficoltà nel confezionarlo, promuoverlo e distribuirlo nel mercato statunitense. Lei che è il papà di Eataly, che consiglio darebbe loro per entrare in America?

Aqui está meu sentimento de dire è di tirarsi sobre o maniche e métodos inventiva e onestà! E poi vorrei dir loro di avere orgoglio per il nostro Paese e di crederci. La crisi, e non scherzo, é un'opportunità por inventare, mentre il benessere impigrisce. Nel giro di dieci anni l'Italia non solo sarà fuori dal tunnel, ma sarà líder na Europa. Oggi esportiamo 31 miliardi em agroalimentare. Bem. Devono raddoppiare in tre anni. Al culmine del process potremmo portare a casa 180 miliardi di euro creando 2 milioni e 800 mila posti di lavoro!

A voler vedere il bicchiere mezzo pieno, il problem della contraffazione definito "Italian sounding" - per cui negli Stati Uniti si trovano spesso prodotti apparentemente italiani ma in realtà prodotti altrove che richiamano nel nome le originali eccellenze italiane - è anche un tributo al Feito em Itália. In realtà, però, é um danno economico e di immagine molto grande: secondo la Coldiretti l’italian soando é um affare de 60 miliardi di euro. C’è qualcosa che il nostro Paese dovrebbe fare e che non ha ancora fatto, secondo lei, per combattere questa o problema?

Si deve ripartire dal fare rete insieme. E penso a reti trasversali e non a corporazioni verticali! Noi italiani dobbiamo imparare a fare rete, ad unirci, a ragionare per grandi temi e con lungimiranza. Si potrebbe creare, ad esempio, un marchio collettivo per caratterizzare i veri prodotti “Made in Italy”. Io ho già delle idee in proposito. una mela verde, bianca e rossa sui nostri migliori e autentici prodotti. La mela tricolore ci può fare raddoppiare le esportazioni di cibo italiano nel mondo dove é uma voglia immensa di cibo italiano vero. Una mela che pode significare no OGM, no concimi chimici, no diserbanti. Tutto questo metterebbe fine al mercato di prodotti che pretendono di essere italiani (som italiano) pur non essendolo.

A multa maggio in salumi delle zone del nord Italia finalmente chegou ao status da lista negra que impedia o loro de essere esportati negli USA. A chi si deve questo successo, e crede sarà possibile ottenere altri successi come questo, magari anche per prodotti provenienti dal resto d'Italia?

Credo che il mercato statunitense e stia pian piano aprendo a molti dei nostri prodotti tipici ed é per questo che in questo moment of crisi si deve puntare all'estero. Noi italiani siamo lo 0,83% della popolazione mondiale, ma il rimanente 99,17 dei terrestri ci adora e adora mangiare italiano. Diamoci da fare!

Eataly é o ponto de riferimento per il cibo italiano em Nova York: tra l’altro si trova a fianco ad um outro famoso luogo newyorchese oggi di proprietà italiana, il Flatiron Building. In autunno aprirete a Chicago? E avete in programma di arrivare anche sull’altra costa?

L'apertura di Chicago está prevista para o mês de novembro. Abbiamo anche un progetto por Los Angeles (2015) e uno per Philadelphia (2016) dove apriremo in un favoloso edificio proprio di fronte al luogo in cui è stata firmata la dichiarazione d'indipendenza americana: praticamente una meta di fissa visita, almeno una volta nella vita, por ogni americano.

Non di essere stato lasciato solo ma di essere stato attaccato in modo ingiustamente violento. Comunque ciò che conta è che ora si sia tutto risolto! Stabilizzeremo subito 132 lavoratori e poi forse anche altri. A New York le condizioni sono molto diverso.

La sua avventura di successo precedente a Eataly l’aveva vista protagonista della promozione di un famoso spot in cui si inneggiava all’ottimismo. É um messaggio del quale abbiamo assoluto bisogno, ed é um messaggio molto “americano”. Come facciamo a farlo diventare anche “italiano”?

I giovani, italiani e non, devo essere ottimisti e avere coraggio! Un coraggio bello e pulito fatto non solo di superamento delle paure, forza d'animo, determinação nell'agire, ma anche accompagnato da: capacità di analisi, fondamentale, studio attento dello cenário, tenacia e per finire una caratteristica che pochi giovani hanno, la predisposizione al dubbio. Questa è necessaria per farsi le giuste domande ed eventualmente aggiustare il tiro. Recentemente é usado um livro que é o escritor próprio para contatar delle belle storie di coraggio di imprenditori del mondo del vino che ce l'hanno fatta “Storie di Coraggio” edito de Mondadori. Il messaggio che vorrei dare ai giovani è che è facile imparare a diventare coraggiosi. O método melhor é guarda uma história de coraggio di persone normali que atraiu o coraggio são diventate speciali. Come spesso avviene, l’esperienza, cioè osservare la vita, può servire più che studiare. E nel caso del coraggio è sicuramente così.


Identità Golose, Returns to Eataly New York

O aclamado International Chef's Forum, Identità Golose, retorna ao Eataly New York para sua 4ª edição nos Estados Unidos. Identità Golose reúne seis dos chefs mais notáveis ​​da Itália e as personalidades culinárias mais famosas de Nova York em um workshop de três dias -

“Mais do que uma vitrine culinária, o IDENTITÀ é um evento educativo que homenageia os chefs da atualidade e explora os processos em que eles reinventam receitas tradicionais e técnicas clássicas todos os dias em seus locais de trabalho. Esta colaboração se encaixa organicamente na cultura da Eataly, que se concentra na exploração, aprendizado e descoberta. ”& # 160 diz Oscar Farinetti, fundador da Eataly.

o A missão do IDENTITÀ GOLOSE é compartilhar com o mundo a rica cozinha regional da Itália, interpretada em um contexto contemporâneo por esses grandes Chefs italianos, que também agregam seus próprios pensamentos e experiências únicas.

---
ABERTO AO PÚBLICO! E não se esqueça de & # 160descobrir os excelentes produtos por trás de nossos grandes Chefs Identita Golose! & # 160

6 Seminários de Culinária
Seis seminários íntimos convidarão um punhado de foodies a experimentar o trabalho de chefs renomados em primeira mão e serem expostos às mais recentes técnicas e tendências culinárias que definem o mundo da culinária internacional de hoje. & # 160
 


Quando: 4 de outubro - 6 de outubro
Onde: La Scuola Grande
2 jantares All-Star Chef
Deixe que nossa equipe estrelado o mime com a comida mais deliciosa e inovadora combinada com rótulos de vinho cuidadosamente selecionados - enquanto desfruta da atmosfera deliciosa em nosso restaurante na cobertura Birreria. & # 160 & # 160 & # 160
Junte-se ao Host Mario Batali& # 160 Sexta-feira, 4 de outubro & # 160 na Birreria & # 160
Clique aqui para se cadastrar!
Junte-se à anfitriã Lidia Bastianich & # 160 Sábado, 5 de outubro & # 160 na Birreria & # 160
Clique aqui para se cadastrar!


Big Box Italian Food, em Roma

POR mais de duas décadas, o Terminal Aéreo com cúpula de vidro definhou ao lado das linhas ferroviárias da Stazione Ostiense de Roma em um estado de abandono. Os invasores ocuparam seus espaços verticais ocos, e a área circundante só poderia ser descrita como decadente. Então, há dois anos, a gigante rede de supermercados de luxo Eataly começou a transformar a estrutura em seu 15º posto avançado, seu maior ponto de venda até então. O complexo foi inaugurado em junho, trazendo 170.000 pés quadrados de comida italiana artesanal para, bem, Roma.

Este Eataly em particular contém um espaço de varejo considerável, 18 restaurantes e cafés casuais, uma torradeira de café, uma cervejaria e até sua própria agência de viagens, tudo em um espaço de quatro andares que lembra uma praça de alimentação sofisticada em um shopping americano. Em uma cidade conhecida pelas delicatessens familiares e mercados de produtos agrícolas locais, ele se destaca. Sua presença conspícua levanta uma questão: Por que você abriria um Eataly aqui?

Para Nicola Farinetti, gerente da loja e filho do fundador da rede, a resposta é simples: “Infelizmente, o mundo das pequenas lojas de alimentos, aqueles pequenos lugares dedicados à comida de qualidade, como os americanos imaginam, morreram há muitos anos”, disse ele.

Isso pode ser um exagero. Fornecedores de alimentos sofisticados dificilmente estão à beira da extinção, mas os supermercados se firmaram em Roma, sem dúvida atraindo alguns clientes dos mercados locais para produtos produzidos em massa. Eataly espera combinar o melhor dos dois mundos. A marca foi fundada por Oscar Farinetti, um pioneiro na compra de eletrodomésticos de grande porte na Itália. O Farinettis agora conta com lojas em três continentes, incluindo uma em Nova York aberta em 2010 em parceria com o Batali & amp Bastianich Hospitality Group.

Visitar o Eataly em Roma exige algum compromisso. Mesmo assim, seu famoso edifício é difícil de alcançar. Em várias viagens este mês, enfrentei a longa e um tanto duvidosa jornada subterrânea da estação de metrô Piramide até Eataly, navegando pelas calçadas móveis quebradas que pavimentam o caminho, apesar da falta de placas que me direcionam para a loja. Os residentes locais podem dirigir até o shopping center, onde há 600 vagas de estacionamento, e os que não se preocupam com o orçamento podem sempre pegar um táxi.

Os visitantes que chegam ao Eataly entram do estacionamento em uma fila de caixas registradoras, além da qual um banco, uma loja de celulares e um balcão de informações lembram shoppings. Escadas rolantes levam os visitantes a vários espaços para comer e beber, o mais emocionante dos quais é o Birreria, onde Baladin, Birra del Borgo e DogFish Head estão colaborando para preparar cervejas no local. Uma boa seleção de cervejas artesanais de qualidade é vendida, além de uma série de marcas industriais, uma regra que se aplica às ofertas da loja em geral.

Ao longo de Eataly, os clientes são confrontados com uma combinação de produtos artesanais e industriais de qualidade totalmente inconsistente. Cabe ao consumidor decifrar o que é o quê. Excelentes queijos e carnes curadas são servidos na Salumeria, enquanto a peixaria exibe espécimes tristes e de olhos turvos. A "Friggitoria" (uma loja de alimentos fritos) serve peixes fritos e almôndegas bastante decepcionantes em um bar ao redor de uma cozinha aberta no segundo andar, enquanto 'ino vende deliciosos, embora caros, sanduíches de um balcão no piso térreo.

A falta de consistência talvez seja atenuada pela simples conveniência de tudo isso. Milhares de produtos bem embalados são artisticamente exibidos em um grande espaço com ar condicionado, um paradigma americano que está vivo e bem aqui. Roma precisa de um Eataly? Talvez não, mas a julgar pelas multidões que vi, com certeza quer um.


Kalustyan & # 8217s, Nova York

Finalmente saímos da 5th avenue, da Eataly e caminhamos para o leste até a Lexington avenue.

Assim que Niv e eu chegamos, ando em um silêncio atordoado. Não conheço a definição de superloja, nem posso me dar ao trabalho de pesquisar. Mas supondo que as palavras estivessem abertas a interpretação, e eu digo que estão & # 8230. Eu chamaria Kalustyan & # 8217s de SUPERSTORE.

Bem, este repositório impressionante de todas as coisas indianas e muito mais, pois a área que ocupa está lotado. Se houvesse uma medida para descrever a densidade de mercadorias da loja & # 8217s por centímetro quadrado, ela definitivamente estaria no quartil superior - do chão ao teto.


Dizendo isso, são as lojas étnicas mais organizadas em que estive e imaculadas. Tudo está maravilhosamente organizado e alinhado, potes de geléia, frascos de xarope, pacotes de especiarias, sais, açúcares, todos eles têm seus pontos. E a fragrância e os aromas são delicados e agradáveis ​​para mim, nenhum opressor ou ofensivo, todos me fazendo ansiar pelos tesouros escondidos dentro de mim.

Vejo bolas de pimenta que vi Reza Mahammad usar pela primeira vez. Niv me educa & # 8216Eles são para temperar & # 8217 & # 8211 uma técnica indiana de aquecer especiarias para liberar óleos e aromas antes de combiná-los com sopas, molhos ou grãos.

O corredor de xarope me leva ao Maine e de volta para o xarope de mirtilo, xarope de noz-pecã e, sim, xarope de bordo ole normal.


Estou emocionado em ver o Potes Bonne Mamane fico feliz em dizer que não preciso de nenhum. Na verdade, estou muito feliz por não morar nos EUA. Se o fizesse, minhas posses se espalhariam pelas ruas. Como vão vocês, residentes dos EUA, evitem comprar lojas inteiras. Entrei na Home Goods hoje e quase enlouqueci. Suspirar. Pela primeira vez, agradeci a Deus que as restrições de bagagem tornavam difícil para mim comprar mais do que o necessário, que deveria parecer desejado!


Voltar para Kalustyan & # 8217s. Vejo Sassafrás para fazer cerveja de raiz.


Há um corredor inteiro de todos os açúcares imagináveis ​​- coco, tâmara e açúcar de bordo. Eu solto um grande suspiro de alívio porque minha pesquisa de açúcar de bordo acabou. A libra de açúcar que eu comprei deve nos ajudar a sobreviver.


Caminhamos, costeamos, vagamos para cima e para baixo em corredores, cantos arredondados, ofegamos, sorrimos, suspiramos, cheiramos e aos poucos os cestos se enchem. Quero estender a mão, tocar alguns livros, segurá-los, mas sei que minha luxúria me levará por um caminho perigoso. Vejo Claudia Roden & # 8217s Arabesco e eu sou mulher o suficiente para resistir.


Minhas últimas compras incluem folhas de verbena de limão, que eu & # 8217m pensando que seriam ótimas com barrinhas de frango. Sal rosa de Praga por algum dia eu vou aprender a arte de Charcutaria Chá de maçã turco que meus filhos adoram & # 8230 .. algumas fatias de caqui secas que eu acho que seriam ótimas, reidratadas e usadas em um bolo e um almofariz e pilão muito fofos que eu realmente preciso!


É hora de ir embora, pego meu recibo, feliz com o desconto de 10% que recebi por pagar à vista & # 8230algumas coisas na loja não são exatamente baratas, então fui extremamente seletivo.


Maravilhe-se novamente com lindos livros de receitas e saia da loja com elegância.


Que final maravilhoso para um grande dia.

Como Niv me disse & # 8216Se você é um foodie e vem para Nova York, você TEM que ir para Kalustyan & # 8217s & # 8217. Eu não poderia concordar mais.

A aventura de hoje & # 8217: espero que a barra Ssam & # 8230.de meu amado David Chang, espero relatar de volta com uma infinidade de contos. Afinal, uma garota comemorando um aniversário de três anos no blog e um aniversário que se aproxima deve comemorar em grande estilo, certo? Direito.

XXX [wpurp-searchable-recipe] Kalustyan & # 8217s, New York & # 8211 & # 8211 & # 8211 [/ wpurp-searchable-recipe]


Comemore seu aniversário com Eataly!

O Eataly New York completa 3 anos no dia 31 de agosto e, para comemorar a ocasião, eles pegaram o melhor de suas ofertas de comida e vinho dos últimos três anos e as compilaram para seu primeiro Festival de Comida e Vinho em toda a loja que está ocorrendo em 6 de setembro.

O mercado Eataly
será habilmente transformado em uma festa di piazza clássica no estilo italiano, com mais de 30 barracas de comida e bebida especiais em toda a loja. Será como caminhar pelas ruas coloridas da Itália.

O mercado e os restaurantes de Eataly permanecerão abertos durante todo o dia, então os clientes têm a opção de fazer compras e jantar no local, ou pular do carrinho de comida para o carrinho de bebidas quando quiserem. Que melhor maneira de comemorar um aniversário!

As comemorações acontecerão no dia 6 de setembro de 2013! Os ingressos estão disponíveis para pré-compra online & gt & gt & gt, ou no dia de ambas as entradas. Os ingressos individuais custam $ 4,00 e os itens variam de 1 a 5 ingressos. Os pacotes também estão disponíveis para venda (10 a $ 40,00, 20 a $ 75,00 e 30 a $ 110,00).

Haverá um Fried Bar onde os hóspedes poderão saborear Suppli, bolinhos de risoto fritos, Frittelle, bolinhos de legumes e Ceci Fritti, grão de bico frito. Os amantes de carne irão apreciar o Bar Salumi & amp Formaggi, mas principalmente a Estação de Escultura Eccellenze, onde podem comer Ombro de Porco Assado Inteiro (11h-16h) e Porchetta Eataly Housemade (17h-23h). No Fresh Mozzarella Bar, os clientes vão experimentar o primeiro Burrata Sundae com geléia de tomate e gelee de manjericão e deliciosos espetos Caprese. Os hóspedes também podem saborear uma variedade de tramezzini, crostini, antepastos, sobremesas e peixes crus no Bar Crudo. Um verdadeiro banquete!

O programa também oferece jogos e entretenimento, mas eles continuam sendo uma surpresa. Portanto, marque no seu calendário. 6 de setembro!
 
Mas a boa notícia não termina aqui. O aniversário da Eataly é no dia 31 de agosto, e se for o seu aniversário também, passe por aqui durante as comemorações do 6 de setembro, mostre um documento de identidade válido e eles terão um presente pronto para você!


7 dias de bebida sem culpa

"Eu bebo com culpa, então me sinto culpado na maior parte do tempo", diz o ditado para bebedores de bebida alcoólica como eu, com herança irlandesa e judaica. Uma boa notícia para nós, é a Semana Negroni, um momento de coquetéis misturados com um pouco de caridade. Então, em vez de me amarrar em algumas indulgências, vou amarrar algumas.

Agora em seu terceiro ano, os sete dias de verão da Semana Negroni comemoram o amado coquetel italiano dos anos 1920, envolvendo mixologistas em todo o mundo para criar novas reviravoltas em um antigo favorito. Melhor ainda, para cada mistura vendida, uma parte dos lucros vai para a instituição de caridade de escolha de cada estabelecimento. (Alguns botecos extra-filantrópicos doam 100% de cada venda.)

Os primeiros dois anos do programa arrecadaram mais de US $ 120.000 para organizações que vão desde o hiperlocal, como o Boys and Girls Club de Truckee Meadows Nevada, enquanto outros apóiam mais organizações sem fins lucrativos como a UNICEF.

Para minha experiência na Semana Negroni 2015, fui ao Birreria, o bar da cobertura de Manhattan que faz parte do Eataly, o enorme mercado italiano de Oscar Farinetti. Não havia sinalização ou informações de menu em qualquer lugar, então tive que perguntar ao atendente: "Você está fazendo alguma coisa para a Semana Negroni?" "Sim", disse ele. "Fazendo Negronis." Okaaay.

Eataly New York está promovendo Negroni on Tap no Birreria, onde os visitantes podem obter um Negroni of Campari padrão, vermute doce Antica Formula e gim Greenhook Ginsmiths local. O meu foi medíocre (tive um muito superior na semana passada em Santa Monica no Back Room Bar), mas gostei de saber que 7 por cento da minha libação de $ 14 foi para apoiar o Banco de Alimentos da cidade de Nova York. Meu conselho até o domingo é ligar para o seu bar favorito primeiro para descobrir como exatamente eles estão participando e ser proativo quando chegar lá.

Alguns lugares estão aumentando a aposta criativa, no entanto, e pensando além da garrafa. O Craftsman & Wolves de São Francisco está servindo marshmallows de Negroni no Mission, enquanto o ABV do East Harlem prepara deliciosas tortas de Negroni.

Não importa o quanto você goste, é a Semana Negroni. Beba algumas bebidas (e sobremesas) com um pouco menos de culpa. Sláinte, l'chaim e claro, cin cin.

The Classic Negroni (c / o Imbibe revista)

1 onça Gin
1 onça Campari
1 onça vermute doce
Ferramentas: copo de mistura, colher de barra, filtro
Copo: coquetel ou pedras duplas
Enfeite: torção de laranja
Misture os ingredientes em um copo de mistura com gelo, coe para um copo de coquetel resfriado (ou copo duplo cheio de gelo) e decore.


Eataly New York apresenta exposição sobre Milão e o Duomo # 039s

Os visitantes do Eataly New York podem agora ter uma visão de perto de uma das igrejas mais famosas e amadas da Itália: o Duomo de Milão.

Eataly New York está hospedando uma exposição, "Eataly per Duomo", que apresenta uma coleção com curadoria de peças historicamente significativas do Duomo, incluindo a estátua de Santa Lucia, uma imagem da Virgem Santa e uma variedade de gárgulas arquitetonicamente únicas .

A exposição é uma celebração da Expo 2015, que será sediada na cidade natal do Duomo, Milão. Localizada no vestíbulo logo após La Piazza, a exposição é gratuita e aberta ao público até maio de 2015.

“Nós, como italianos, temos o dever de preservar o legado de nosso passado, compartilhando-o com o mundo”, disse o fundador da Eataly, Oscar Farinetti. “Esta é a nossa chance de garantir que um dos mais aclamados vestígios artísticos existirá para as nossas gerações futuras. Cultura, comida e arte são nossos maiores recursos para que isso aconteça ”.

Eataly fez parceria com a Veneranda Fabbrica del Duomo di Milano, a instituição fundada em 1387 para construir e preservar o Duomo, para estabelecer uma organização de arrecadação de fundos, Patronos Internacionais do Duomo di Milano Inc., a fim de arrecadar dinheiro para a restauração do monumento até 1º de maio de 2015, dia do início da Expo, por meio da campanha “Do You Duomo?”

Eataly New York também é um vendedor oficial de ingressos para a Expo Milan 2015. Mais de 20 milhões de visitantes são esperados durante os seis meses de duração do evento.

“A Eataly conseguiu trazer o melhor da tradição da comida italiana para a América e estamos muito contentes por ela ter decidido celebrar a cidade de Milão com esta exposição incrível. Também estamos muito satisfeitos que a Eataly, que terá seu próprio espaço no Expo, é nosso Revendedor Oficial de Ingressos ", disse Piero Galli, Gerente Geral da Divisão de Gerenciamento de Eventos da Expo 2015." Estamos honrados por estar dentro de uma das principais atrações de Nova York e acreditamos fortemente que este espaço terá um papel fundamental na promoção da Expo Milano 2015 entre os americanos e a comunidade italiana que reside na Big Apple. "


A quinta edição do Identità New York

06-10-2014

Na quinta-feira, dia 9 de outubro, às 18h30, hora local, quinta edição do Identità Nova York vai abrir com uma aula conjunta ministrada por Lidia Bastianich e Rosanna Marziale. O evento de 5 dias, com 7 aulas com dois chefs cada e dois jantares no Eataly NY’s Birreria will focus on the meeting between chefs from different generations and continents. Registrations and details available here

A few more days and inside Eataly, at 200 5th Avenue, the fifth edition of Identità New York will start, a meeting and confrontation between 7 chefs who make the restaurant scene in the American metropolis great, and 7 that do honour to Italy. "While last year this dialogue, discussion and understanding was based on selected ingredients", says Paolo Marchi introducing this year&rsquos leitmotiv, "this autumn the confrontation will be focused on ideas and the meeting of different generations. It&rsquos always a difficult task, that of confronting generations, because age itself is not necessarily a synonym of quality or of a descending curve. It is more rather a starting point to help discuss and analyse the subject deeply.".

"It is our intention, in other words, to create duets that will involve two chefs who share the same moment in their career, the best of today and tomorrow, the supernovas and the stars that have just began to shine, so that everyone can understand what livens and nourishes the cuisine of those who stand out above the average and, over time, become a true point of reference. Not just an ephemeral trend".

Daniel Burns, chef at Luksus, 1 Michelin star a few days ago will be one of the speakers: the strange case of a Canadian chef who serves Nordic cuisine in Brooklyn

Together with the lessons, the traditional two dinners will also return. During the dinners, the Italian guests and not only them, will do their best to make people understand that Italian cuisine is not still, nailed to the past, but is capable of moving forward in a continuous search for the best, both at home and in Manhattan itself.

Among the most awaited lessons, there’s the one to be held by Massimo Bottura e Daniel Humm, third and fourth chefs in the world according to the World's 50Best

To register, visit the Eataly New York website

FRIDAY OCTOBER 10th with Lidia Bastianich
Starter
: Ugo Alciati and Denny Imbroisi
First course
: Davide Scabin and Vitantonio Lombardo
Main course
: Carlo Cracco and Fortunato Nicotra
Sobremesa
: Rosanna Marziale
Petit fours
: Katia Delogu

To register, visit the Eataly New York website

Eataly NY ‘s "hosts" Alex Pilas e Mario Batali, protagonists of the dinners in the Birreria

To register, visit the Eataly New York website

The event&rsquos hashtag is #identitàeataly

Identità Golose

This article is curated by Identità Golose, the publication that organises the international fine dining congress, publishes website www.identitagolose.com and the online Guida Identità Golose, on top of curating many other events in Italy and abroad

Primo piano

The events you cannot miss and all the news of topical interest from the food planet


Market Watch

Food halls like Flagship Commons (pictured) in Omaha, Nebraska, have become trendy destinations for dining and drinking. (Photo by Hope Jewell Vinson)

Once a bastion for buffet service and quick cuisine, food courts have received a major revamp over the past few years. A new breed of venue has emerged—one that celebrates local chefs, emphasizes healthier eating habits, and incorporates beverage alcohol to create a dining destina tion with myriad food and drinks options. While upscale-casual food halls have had a small presence in major markets for a few years, they’re now expanding rapidly in large cities and entering smaller urban locales.

Some food halls incorporate several on-premise operators in a single space, while others are managed by one restaurant company that oversees a variety of concepts under its own umbrella. Several also house a market that allows guests to buy fresh produce, packaged foods, and wine, beer and mixers in the same locale, creating a multifaceted approach. These operations play into consumers’ need for variety, quality and affordability.

“In the last five years, fast casual establishments have brought full-service, restaurant-quality food to the public in an everyday, economical setting,” says Karen LuKanic, the senior vice president of business development at Denver-based Richard Sandoval Restaurants. “The lower prices have helped widen the audience, and the self-service approach has eliminated the need to tip. Customers today expect to find high-quality food at affordable prices. Food halls simply expand that premise to offer more variety under one roof.”

Richard Sandoval Restaurants operates the food hall Latinicity in Chicago. The concept opened in November 2015 in the Loop neighborhood, offering 10 different quick-serve counters, a tapas restaurant, a café, a bar and lounge, and a market. Latinicity—which highlights the flavors of Latin America, Spain and Portugal—has been well received. LuKanic calls the food hall the next evolution of fast casual dining, as it serves upscale cuisine at accessible prices.

Sandoval’s restaurant group is no stranger to the world of traditional dining—the company has more than 40 restaurants around the globe—but this concept was its first foray into a food hall–style venue. LuKanic says the ability to serve such a high volume of guests is a major benefit, but also a challenge. In a conventional restaurant setting, servers can make sure guests’ needs are being met, but that’s not the case at a coun ter-based food hall. Instead, LuKanic says consumers turn to online reviews to offer feedback.

“Our customers expect that their meal will be ready fast, but we refuse to sacrifice quality for speed of service,” LuKanic explains. “As chef Sandoval travels, he’s often influenced by the cultures, flavors and tastes he discovers. Latinicity has given us the opportunity to present the cultural influences of Latin America in an authentic way without having to open 12 separate restaurants.”

There’s something for everyone at a food hall, which typically houses multiple concepts under one roof. Chicago’s Latinicity offers fish tacos (pictured), as well as sandwiches, sushi and other fare. (Photo by Lauren DeFilippo)

Gift Of Choice

The counters at Latinicity offer a range of foods, including artisanal sandwiches, sushi, ceviche, Peruvian stir fry, grilled meats, tacos and fresh seafood. Tacos are popular, and Machefe Taquería lists upscale options like carne asada and achiote-marinated pork ($3 to $4 per taco). More adventurous eaters enjoy Chaufa Wok, a build-your-own concept that allows guests to choose their preferred starch and protein to create dishes that evoke street food in Peru ($10 to $12).

Full Bar, the drinks component at Latinicity, emphasizes Latin American spirits, beers and wines. Standout cocktails include the La Caravedo Quebranta Pisco–based Chicha Sour, the Xicaru Silver mezcal–based Old Fashioned and the Pitú cachaça–based Strawberry Basil Caipirinha (cocktails are $8 to $13). The bar also serves Margaritas, Micheladas and sangrias. LuKanic says Jarritos soda–based mixed drinks ($11 to $15) are gaining traction too. The M&M, comprising Xicaru Silver mezcal, Jarritos Mandarin soda, agave syrup, lime and cucumber, is a popular choice. In addition, Full Bar pours wine by the glass ($9 to $15) and serves beer on draft and in bottles ($6 to $7).

LuKanic says Richard Sandoval Restaurants is planning to expand the 6-month-old Latinicity concept. “The development community has responded incredibly well,” she notes. “We’ve had many offers to open additional food halls. I know we’ll see more Latinicity units and probably more food halls overall because once the formula is created and optimized, it’s easily duplicated.”

Omaha, Nebraska–based Flagship Restaurant Group also debuted a food hall concept in late 2015, and the company is already thinking about expansion. Called Flagship Commons, the large space is located within Omaha’s Westroads Mall. The venue offers counter-style versions of a couple of the company’s established brands, as well as new on-premise operations. “Food halls have always been popular, but they lost culinary focus,” says Flagship co-owner and COO Anthony Hitchcock. “Now we’re starting to see life breathed into them again with an emphasis on quality, nutrition and locally sourced ingre dients. We thought a food hall would be a fun and challenging project that we could pull off due to the success of our established concepts.”

Drinking is a huge social component and a driver of the food hall business.

Ryan Chase, 4th Street Market

Part of the appeal for Flagship Restaurant Group was that it could own and operate the entire venue and control the full space’s environment. Flagship Commons features an outpost of Blatt Beer & Table and an offshoot of Blue Sushi Sake Grill, both of which have stand-alone locations in Omaha. In addi tion, the hall has counters that offer falafel and kebabs, salads, tacos, ramen, and pizza. Several of the venues have their own themed drinks offerings—Mexican beers and Margaritas at Juan Taco, craft beer on tap at Blatt, sake at Yum Roll, and Japanese brews at Yoshi-Ya—and the space also houses a separate drinks venue called The Bar.

“The food hall offers an experience,” says Tony Gentile, Flagship’s co-owner and corporate executive chef. “It’s a desti nation for people—not just to eat, but to be social. It’s a communal gathering space. The variety of food and drinks hits several demographics on different levels.”

Along with sushi, the Yum-Yum Bowl is a popular item at Yum Roll. Guests create their own meal by picking from a variety of meats, vegetables and sauces that are served over rice ($7 to $9). The handcrafted specialty pizzas at Weirdough also do well ($3.75 to $4.50 a slice), and the burgers and bratwurst at Blatt Beer & Table are local favorites. The Bar at Flagship Commons takes a two-pronged approach. The venue employs bartenders at certain times during the week to make classic cocktails like a Cruzan rum–based Mojito, a Tito’s Handmade vodka–based Moscow Mule and a Cabrito Silver Tequila–based Margarita ($6.75 to $8). Wine ($6 to $12.50 a glass $24 to $50 a 750-ml. bottle) and beer ($4 to $7.50 a draft pour, bottle or can) are available at all times. The brew selection includes both mainstream brands and craft offerings from Boulder Beer Co., Ska Brewing Co. and Omaha favorite Brickway Brewery. Guests are allowed to walk around the food court area with their drinks, but can’t bring them into the mall.

“People often visit the bar before or after they shop,” Gentile says. “This type of food hall gives consumers an opportunity for fresh, minimally processed and made-from-scratch food, and it allows for multiple types of appetites. Food halls have been around for a while, but certain criteria weren’t being met. These types of halls are now part of the food movement.”

Beverage alcohol is an important and growing part of the food hall experience. Recess bar at 4th Street Market offers beer, wine and cocktails on tap, with additional selections to come. (Photo by Anne Watson Photography)

Creating An Experience

Modern-day food halls thrive because they focus on regional restaurateurs who can offer top-notch food and drinks in a quick-service format. Ryan Chase, the owner of 4 th Street Market in Santa Ana, California, says this approach is the driving force behind the success of his venue. Chase is a real estate developer, so his model for 4 th Street centers on bringing in local restaurant talent to attract younger legal-drinking-age consumers.

“Millennials and the younger generation are pushing this trend,” Chase explains. “From an urban standpoint, food halls are an economic driver and attract people. They’re more of a destination, and they can make a positive impact on the local community. The chefs who are in the place are everything. It’s all about who you bring in. It’s beyond just eating.”

Ceviche is popular at 4th Street Market. (Photo by Anne Watson Photography)

At 4 th Street Market, Chase hires local restaurateurs to operate counters and serve their own food. His company handles much of the overhead costs, utilities, and public relations and marketing, taking start-up stress off young chefs. Some tenants sign long-term leases, while others choose to try out a concept for a month or two. The space currently houses the Asian- and Latin-themed Dos Chinos, the seafood-based Mar, the pork-heavy Pig Pen Delicacy, and the Vietnamese-influenced Sit Low Pho. On the drinks side, a bar called Recess pours six beers ($6), six wines ($8) and six pre-mixed cocktails ($8)—all on tap.

“Drinking is a huge social component and a driver of business,” Chase says. “We’re in the process of expanding the bar to have a selection of mixed drinks and other beers that aren’t on tap to provide more options.” He adds that since 4 th Street Market opened in 2015, he’s already received calls from several dozen people who want to replicate the concept in other cities.

In the greater Washington, D.C., area, chef Mike Isabella is working on a food hall that’s slated to open in summer 2017. Located in the Virginia suburb Tysons Corner, the concept is already creating major buzz. Isabella says developers approached him with the idea and he agreed on the condition that he could operate every venue in the space. Plans for Isabella Eatery include 10 concepts that touch on a diverse array of cuisines, from Japanese and Mexican to Greek and Italian. There will also be an upscale, full-service Mediterranean steak restaurant. Beverage alcohol will be prevalent, with a large octagon-shaped bar as the centerpiece of the space.

“I operate a lot of free-standing restaurants,” Isabella says. “For the food hall, we’re bringing in concepts that we’ve already done successfully and adding a couple new ones. People are really interested in good food and in having options. Food halls are opening across the country. I wanted to produce something that no one else is doing. We’ve already received phone calls asking us about the concept and if we’ll do more.”

Eataly emphasizes the retail component (New York City location pictured), where guests can purchase wine, beer and ingredients to recreate menu items at home.

Food Hall Pioneer

Though its format is different than many of its food hall peers, Eataly is among the leaders in this dining segment. The concept launched in Turin, Italy, in 2007 and made its U.S. debut in 2010 in New York City. Locations have since been added in Chicago, Rome, Tokyo, Milan, Istanbul, São Paulo and Munich. Operated jointly by entrepreneur Oscar Farinetti, chef Mario Batali, and restaurateurs Lidia and Joe Bastianich, the concept puts equal emphasis on dining and retail sales and also offers an educational component.

The U.S. locations each house seven restaurants and a handful of quick-serve counters. The restaurants have their own beverage alcohol menus, highlighting specific offerings. At the casual concept La Pizza & La Pasta, approachable Italian wines and beers take center stage. The New York City location offers more than 30 wines ($9 to $24 a glass $32 to $170 a 750-ml. bottle), such as the 2013 Bastianich Vespa white blend ($18 $63), the 2011 Mirafiore Barolo ($23 $80) and the 2010 Allegrini Amarone ($138 a 750-ml. bottle). The menu also lists 14 beers ($6 to $10 a draft pour $7 to $27 a bottle), including selections from American craft brewer Dogfish Head and several Italian craft labels. Eataly in Manhattan boasts a fine dining concept as well. Manzo Ristorante offers high-end fare like house-made stracciatella, linguini with poached lobster and veal-stuffed agnolotti (entrées are $19 to $29), as well as a lengthy drinks list.

“At Eataly, wine is a focus and one of our pillars,” says Marco Oppedisano, general manager of restaurants at Eataly New York. “Eataly is a culinary marketplace that seamlessly blends grocery, retail, education and restaurants. We opened Eataly to bring consumers closer to producers and the stories behind them, to bring quality cuisine in a casual environment and to inspire people to focus more on what they’re putting into their bodies.”

The retail component at Eataly is huge. The space sells everything from baked goods and fresh mozzarella to packaged pastas and beer and wine. The concept strives to house everything needed to recreate the food and drinks served in the space’s restaurants. “Food halls give the average diner the ability to eat multiple items all under one roof, and these multifunctional spaces will continue to evolve as people become more in tune with other cultures and the way they operate,” Oppedisano says. “Traditional restaurants will forever be a part of our nature, but food halls—which provide a nonjudgmental dining experience—are growing.”


Assista o vídeo: Mario Batali with Martha Stewart at Eataly